Artigos marcados com ‘Maquiavel’

WEBS MAQUIAVEL

maquiavel2

Caros! Como combinado, estou aqui para avisar a todos que o assessor de História, Norton, irá apresentar a web “500 anos de O Príncipe”. Será a última vez do ano que a apresentação será feita. Peço a participação de todos. Veja abaixo os dias e horários:

DIA 23: às 9:00 e 15:00
DIA 24: às 15:00 e 19:00
DIA 25: às 09:00 e 15:00

CASO QUEIRA RECEBER O LINK DA WEB, MANDE UM E-MAIL PARA MIM:  rselke@positivo.com.br

(Não se esqueça de dizer, no e-mail, qual o seu colégio e município).

Texto produzido pelo Norton:

Professoras e professores,
No mês de outubro finalizaremos o ciclo de webconferências 500 anos de O Príncipe: Maquiavel e o nascimento do pensamento político moderno.
Nessa etapa, apresentaremos A política de Maquiavel no século XXI, uma análise da obra do florentino Maquiavel à luz dos nossos dias.
O detalhe que tornará essa etapa mais do que especial é o fato de contarmos com a participação de professores colegas nossos como comentaristas. Em cada uma das webconferências, um ou mais professores participarão do nosso debate, enriquecendo as discussões e contribuindo para um melhor entendimento da obra de Nicolau Maquiavel.
Os nossos convidados são, em ordem de apresentação, o professor e sociólogo Ricardo Selke (Editora Positivo, Curitiba/PR); a professora Evelise Laux (ULBRA, Sapucaia do Sul/RS); o professor Cristiano Castilho (Escola Pedacinho do Céu, Alexânia/GO); a professora Dilene Simões (Colégio Positivo Junior, Curitiba/PR); o professor Dermival César Batista da Silva (Colégio Francisquense, São Francisco do Sul/SC); a professora Carla Cassu (Secretaria Municipal de Educação de Itapeva, Itapeva/SP); e, a professora Maribel Toledo (Instituto Anglicano Barão do Rio Branco, Erechim/RS)
Contamos com a sua participação.
Grande abraço e até lá.

FIQUEM ATENTOS!

maquiavel

Educadores, nesse mês de outubro, o assessor de História, Norton, irá apresentar pela última vez a sua webconferência sobre Maquiavel. Ela aborda a obra de Maquiavel do ponto de vista histórico. A minha foi do ponto de vista da Sociologia. Logo entrarei em contato com mais informações. Fiquem atentos! Vale a pena participar!

WEBCONFERÊNCIA: MAQUIAVEL E A SOCIOLOGIA

maquiavel

Caro educador,

a área de Filosofia/Sociologia e História da Editora Positivo marcou para setembro seis webs com o mesmo tema: os 500 anos de O Príncipe. A nossa ideia foi abordar a obra de Maquiavel do ponto de vista histórico, filosófico e por último, sociológico.

Por favor, anote os dias e horários das webs:

Dia 11/09, às 09:00 e 15:00 horas
Dia 12/09, às 15:00 e 19:00 horas
Dia 13/09, às 09:00 e 15:00 horas

Gostaria de participar? Caso tenha interesse, mande um e-mail para a assessoria:  rselke at positivo.com.br

A atualidade dos 500 anos de O príncipe de Maquiavel

Quando estudamos Maquiavel ou qualquer um dos pensadores do passado, às vezes temos a impressão de falarmos sobre coisas ultrapassadas, velhas e já sem valor. Esse pensamento em parte é verdadeiro, de fato muito do que se escreveu ou pensou estão ultrapassadas, coisas muito específicas da época ou que de alguma forma que já foram superadas, mas dai dizermos que toda filosofia de um pensador como Maquiavel se enquadra nessa análise seria o equivalente a jogar fora a água suja da banheira, ainda com a criança dentro.
Mas como podemos enxergar em nossos dias o pensamento de Maquiavel? Vamos relembrar alguns pontos importantes desse pensador para compreender melhor.
1- Maquiavel inaugura uma nova forma de pensar política, até o século XVI o pensamento político sempre esteve muito vinculado a outros pressupostos que não a política em si, como é o caso do indiscutível vínculo com a religião que determinou por muito tempo os rumos do pensamento político.
É sempre salutar lembrar que em se tratando de análise histórico filosófica não cabe nenhum juízo de valor, estar sob influência do pensamento religioso não é bom nem ruim, apenas é, ponto.
Se olharmos hoje, para o como se pensa política, vamos encontrar pessoas dizendo que a religião não tem mais a influência que tinha no século XVI, no caso de uma pergunta como essa a resposta poderia ser sim e não. Sim, porque na estrutura oficial defende-se um estado laico, sem vínculo oficial ou direto com qualquer religião. Não, porque quem representa o povo das decisões, no caso do poder legislativo, representa também classes específicas tanto que os partidos carregam em suas siglas a ideia de um partido cristão, partido socialista etc.
Isso tudo parece ferir profundamente o princípio Maquiavélico de se fazer “política pela política”, fazer do processo político um processo autônomo, uma forma de pensar de maneira clara e concisa o que é necessário para o bem comum, não apenas resguardando os interesses de uma minoria.
2- Maquiavel defende a compreensão de que devemos ter clareza entre o que as coisas são realmente, e o que elas parecem ser. De fato as vezes temos de enfeitar as coisas para que elas pareçam diferentes em função de nobres intensões de se melhorar o que não está bom, porém o que vemos instalado hoje é um total e completo desconhecimento de como as coisas são, a ponto de o povo nem fazer ideia de como realmente o país está, como anda nossa política econômica, ou como os recursos são de fato aplicados.
Tal é o nível de analfabetismo político que vivemos hoje, que as pessoas se vangloriam de odiar a política, de não se interessar pelos programas eleitorais como se fossem monstros, ou uma tremenda perda de tempo, mal sabem eles que riem da própria ignorância.
Se Maquiavel vivesse hoje não teria dificuldades de escrever novamente sua obra como se fosse para o agora, sem medo de ser ou estar ultrapassado. Pensemos apenas nesses dois pontos abordados por Maquiavel, como seria o Brasil e o mundo se fizéssemos “Política pela política”, se o povo fosse autônomo e soubesse distinguir claramente o que é, daquilo que parece ser?
Julio Cesar Luchmann