Descobrimento da América. Sim ou não?

Estatua de Cristóvão Colombo, do escultor Augusto Rivalta (1910) na cidade de Detroit com a intervenção anônima de um machado tomahawk.

Estatua de Cristóvão Colombo, do escultor Augusto Rivalta (1910) na cidade de Detroit com a intervenção anônima de um machado tomahawk.

No dia 12 de outubro na Espanha comemora o dia da Hispanidade, comemoração da epopeia de Colombo no descobrimento da América. Uma reportagem do jornal espanhol El País aborda o tema e levanta a questão. Como seria vista a data nas antigas colônias espanholas da América?

Jornalistas da Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos. México e Peru foram convidados a responderem a pergunta. Notamos pelos depoimentos um microcosmo sobre o ensino de História nestes países, pois as abordagens se remetem ao ensino vivenciado pelos jornalistas e as abordagens atuais. Em todos os casos é possível verificar que a abordagem era marcadamente factual e laudatória a ação de Colombo, com encenação da viagem e da chegada (descobrimento) passando para uma abordagem que leva em consideração o impacto deste encontro de culturas pelo lado dos indígenas, além da ênfase na diversidade cultural existente no Continente.

Percebemos a presença do ensino voltado a noção de competências e a construção de habilidades, mais do que a memorização e a aquisição de conteúdos (não que estes não existam), traçando um paralelo com o ensino de História no Brasil

Indico o link do jornal El País edição Brasil para a leitura

Abraço